A burrice no poder

Escrito para próxima publicação do Projeto Novos Paradigmas, o título “A burrice no poder” pode parecer um pouco provocador, mas pense um pouco: a desigualdade está explodindo no mundo, e as propostas vão no sentido de austeridade não dos que esbanjam, mas dos que mal sobrevivem. O planeta está sendo destruído e o que se vislumbra não é consumo mais inteligente e sim expansão do consumismo irresponsável. A violência se espraia, e a solução seria disseminar mais armas. O homo demens transforma a burrice em bandeira. Uma visão construtiva é fácil de identificar: é só fazer o contrário. Divirta-se.

Ladislau Dowbor

Avalie isto:

O B@ú do Pyment@s reproduz conferência do jornalista Luiz Cláudio Cunha na ANDIFES, instituição que reúne 63 reitores de universidades, realizada neste dia 18/XII, em Brasília, em seminário para celebrar os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos:

Universidade: a última trincheira contra a estupidez da Era Bolsonaro
Luiz Cláudio Cunha*

Avalie isto:

Sociedade Civil reage e lança “Manual Contra a Censura nas Escolas”

Numa demonstração de que a aprovação do Projeto de Lei que fundamenta, legaliza e torna impositivo a adoção dos princípios e normas defendidos pelos integrantes do Movimento “Escola Sem Partido”, não será pacífica, cerca de 60 entidades representativas do setor educacional e de defesa dos direitos humanos, lançaram hoje (28), em São Paulo, o “Manual Contra a Censura nas Escolas”.

João Baptista Pimentel Neto

Avalie isto:

Da Capotagem ao Kaos

A extrema direita manobra a capotagem. Trump, na CNN, disse ser do “kaos”. Bolsonaro, promete capotar-nos de volta a um passado de KKK e ditadura. Juntos, têm o dom de embaralhar tudo e ameaçam nos levar, capotando, até o abismo.

Jorge Mautner e João Paulo Reys

Avalie isto:

Facebook reintroduz a censura no Brasil

A censura voltou ao Brasil. E a herança maldita foi reintroduzida por uma empresa estadunidense pontocom, o Facebook. O mundo virtual não é diferente do real, sabemos. Por isso, os que sobreviveram à ditadura brasileira lembram-se bem da sensação horrível de quando uma pessoa desaparecia, inesperadamente. “Onde está fulano/a?” E a resposta: “Fulano/a caiu”.

Elizabeth Lorenzotti

Avalie isto: